A EDUCAÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO: UMA REFLEXÃO SOBRE AS POTENCIALIDADES E LIMITES DA PEDAGOGIA TRANSDISCIPLINAR EM UNIVERSIDADES CORPORATIVAS

  • Patrícia de Sousa Vianna Universidade Federal de Minas Gerais/Face/Cepead

Resumo

Um fenômeno que vem crescendo nas principais economias do mundo, incluindo o Brasil, é a criação de Universidades Corporativas (UCs) pelas grandes organizações como forma de lidar com a assimetria entre as competências profissionais desejadas e as encontradas no mercado de trabalho. Contemporaneamente, a gestão do conhecimento, as organizações de aprendizagem e o capital intelectual permeiam as reflexões não só acadêmicas, mas da sociedade em geral, as quais repercutem no âmbito das corporações e de suas UCs. Essa temática desdobra-se em reflexões sobre quais abordagens pedagógicas são adequadas às demandas da vida contemporânea, e a visão transdisciplinar se apresenta como uma das respostas possíveis. Observa-se que a UC assume um papel cada vez mais estratégico, extrapolando a função formativa de competências funcionais e alcançando um escopo diversificado de gestão: do conhecimento, da identidade e da cultura organizacionais. Este ensaio aborda o papel desempenhado pela UC na estratégia organizacional, notadamente nas políticas de gestão de pessoas. Tais reflexões partem da atuação da autora como educadora de uma UC ao longo de dez anos, tendo como pano de fundo as teorias de Edgar Morin e Basarab Nicolescu.Palavras-chave: Transdisciplinaridade. Educação.  Gestão de pessoas.

Biografia do Autor

Patrícia de Sousa Vianna, Universidade Federal de Minas Gerais/Face/Cepead
Patrícia de Sousa ViannaCAU A81048-7CI: M2718000 MGCPF: 475 538 556-34e-mail: pasvianna@gmail.comend.: R. Patagonia, 19/703 Sion30.320-080 Belo Horizonte, MG Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (1987), mestrado em Administração de Empresas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998), MBA em Gestão Pública pela FEA-RP/USP (2003), Curso Nível Extensão Desenvolvimento de Competências Gerenciais pela Fundação Getúlio Vargas (2009). Tem experiência em docência e em Administração, com ênfase em Administração de Empresas, atuando principalmente em Gestão de Pessoas e Universidade Corporativa, Marketing Público e educação empresarial. Trabalhou no Banco do Brasil no período de 1988 a 2013, desempenhando funções de gerente negocial nos segmentos de mercado Pessoa Física, Governo e Comunicação e Marketing. Foi gerente Geral de Pessoas do Estado de Minas Gerais, de Campinas e ABC Paulista e Gerente da Universidade Corporativa – Unibb.  Atualmente é consultora em gestão e educação empresarial e doutoranda em Administração na Universidade Federal de Minas Gerais – Face/Cepead.

Referências

Referências:

ALPERSTEDT, C. Universidades Corporativas: Discussão e Proposta de uma Definição. Revista de Administração Contemporânea, v.5, n.3, set./dez. 2001.

ALVAREZ, M. Transpedagogia: educar para a consciência. [s.l.]: Edição Independente, 2008.

ARROYO, Miguel. “Revendo os vínculos entre trabalho e educação: Elementos da formação humana” In: Silva, Tomaz Tadeu (org.). Trabalho, educação e prática social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

ARROYO, Miguel. Parecer sobre a Reformulação do Curso de Formação de Instrutores. CEFOR Belo Horizonte, Banco do Brasil, 1994.

BERGER, P. L. e LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade: Tratado de Sociologia do Conhecimento. 36. ed. Petrópolis, Vozes, 2014. 239 p.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. São Paulo: Saraiva, 2006. 314 p.

BRANDÃO, G.R. A configuração de Universidade Corporativa e suas implicações na Gestão de Recursos Humanos: um estudo de caso. XXVIII Encontro da ANPAD – Curitiba/PR – 25 a 29/set 2004.

BRANDÃO, G.R. Gestão de Pessoas e as Universidades Corporativas: dois lados da mesma moeda? ERA – Revista de Administração de Empresas, vol.46, n.2, São Paulo. Abr.-jun. 2006.

CASTRO, C. M.; EBOLI, M. Universidade corporativa: gênese e questões críticas rumo à maturidade. Revista de Administração de Empresas, vol.53, n.4, São Paulo. Jun.-Ago. 2013.

CUIN, Charles-Henry e GRESLE, Francois. História da Sociologia. São Paulo: Editora Ensaio, 1994. 287 p.

EBOLI, Marisa (2005). O Papel das Lideranças no Êxito de um Sistema de Educação Corporativa. Revista de Administração de Empresas, vol.45, n.4, São Paulo. Out.-Dez. 2005.

HESSEN, J. Teoria do Conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 206 p.

LUCI, B. L. [Org.]. Piaget e a Escola de Genebra. São Paulo: Cortez, 1987.

MORIN, M. E. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, vol. 41, n. 3, São Paulo. Jul.-Set. 2001.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 9. ed. Brasília, DF: UNESCO, 2004.

NICOLESCU, B. O Manifesto da Transdisciplinaridade. 3.ed. São Paulo: TRIOM, 2008.

PAULA, A. P. P. Repensando os estudos organizacionais: o círculo das matrizes epistemológicas e a abordagem Freudo-Frankfurtiana. 2013. 233p. Tese Titular-CAD/UFMG, Belo Horizonte, 2013.

PAES DE PAULA, A.P. Teoria Crítica nas Organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2008. 128. p.

RENAUD-COULAN, Annick. Corporate universities enable investment in culture. 2012. Disponível em: < http://www.renaud-coulon.com/index-uk.html>. Acesso em 31 out.2014.

RENAUD-COULAN, Annick. Annick Renaud-Coulan explica o papel das universidades corporativas. 20/09/2013. Disponível em: <http://www.renaud-coulon.com/index-uk.html>. Acesso em 31 out.2014.

RENAUD-COULAN, Annick. Corporate Social Responsibility: How can learning contribute? 2008. Disponível em: <http://www.renaud-coulon.com/index-uk.html>. Acesso em 31 out.2014.

SOMMERMAN, A. Inter ou Transdisciplinaridade? São Paulo: Paulus, 2006.

SERVA, M. O Paradigma da Complexidade e a Análise Organizacional. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 26-35, 1992.

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G. D. Paradigma da Complexidade e Teoria das Organizações: Uma Reflexão Epistemológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 3, p. 276-287, jul.-set. 2010.

Publicado
2016-07-18
Seção
Artigos