GOVERNANÇA E RENOVAÇÃO PEDAGÓGICA FRENTE À AVALIAÇÃO MODELO ENADE: UM DESAFIO A SER TRANSPOSTO

  • André . Gobbo Professor da Faculdade Avantis de Balneário Camboriú (SC). Mestre em Ciências da Educação.
  • Simoni Urnau Bonfiglio Mestre em Educação UCSA/EDAN. Centro Universitário de Brusque (Unifebe).
  • Ana Lucia Alexandre de Oliveira Zandomeneghi Professora adjunta do Curso de Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia/BCT, da Universidade Federal do Maranhão/UFMA. Colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Design/UFMA. Doutora em Mídia e Conhecimento.
  • Gabriella Depiné Poffo Doutoranda em Administração. Procuradora-institucional e professora da Faculdade Avantis de Balneário Camboriú (SC).

Resumo

Avaliar o processo de aprendizagem é uma forma de verificar como ela foi conduzida, já que seus resultados nem sempre dependem única e exclusivamente do acadêmico, mas sim de toda a equipe envolvida na construção e aquisição do conhecimento. Objetiva-se com este estudo descrever o novo processo de avaliação criado e implementado no primeiro semestre de 2015 por uma Instituição de Ensino Superior (IES) do Estado de Santa Catarina, adequando os métodos avaliativos de forma que o período dos estudos aproxime os acadêmicos da realidade requerida pela Prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Para o presente estudo, de características estritamente qualitativas, foram utilizados os dados fornecidos pelo Núcleo Técnico Pedagógico (NATEP) da referida instituição, os quais embasam o presente relato de experiência que pode servir de diretriz para outras IES que, nos últimos anos, estão desafiadas pelo Governo e pela sociedade a renovarem a ação pedagógica na formação acadêmica. A análise dos dados primários está aportada no discurso dos discentes que participaram do projeto-piloto do plano denominado ‘Ensinando com Excelência’, e os resultados apontam que é possível ousar quando toda a comunidade acadêmica sente-se desafiada e se compromete com a melhora da qualidade de ensino.Palavras-chave: Processo de Aprendizagem. Avaliação. ENADE.

Referências

ALVES, Rubem. A alegria de ensinar. 3. ed. Indianópolis (SP): Ars Poética Editora Ltda, 1994. Disponível em: <http://www.virtual.ufc.br/cursouca/modulo_3/6994779-Rubem-Alves-A-Alegria-de-Ensinar.pdf>. Acesso em: 10 set. 2015.

BELLONI, Maria Luiza. Ensaio sobre a Educação a Distância no Brasil. Educação & Sociedade, Florianópolis/SC, v. 23, p.117-142, abr. 2002. Disponível em: <http://cev.org.br/biblioteca/ensaio-sobre-educacao-distancia-brasil>. Acesso em: 19 ago. 2015.

BEUREN, Maria Ilse et al. Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: teoria e prática. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2012.

BONFIGLIO, Simoni Urnau. Autorregulação da aprendizagem: o caso do Colégio Salesiano Itajaí – SC/Brasil. Dissertação de Mestrado. UCSA/EDAN – PY, 2010.

BRASIL, Manual do Enade 2014. Brasília, MEC, 2014.

____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96. Atualizada abril 2013. Brasília: MEC, 2013.

DEMO, Pedro. Educação, Avaliação Qualitativa e Inovação - I. Brasília: Inep/MEC - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2012.

DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA. (2013). Disponível em: <http://www.priberam.pt/DLPO/avalia%C3%A7%C3%A3o>. Acesso em: 10 dez, 2014.

GARCIA, Joe. Avaliação e aprendizagem na educação superior. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 20, n. 43, maio/ago. 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUIMARAES, Sueli Édi Rufini; BORUCHOVITCH, Evely. O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2004, vol.17, n.2, pp. 143-150. ISSN 1678-7153. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722004000200002. Acesso em 12 ago. 2015

GUTIÉRREZ, Francisco; PRIETO, Daniel. A Mediação Pedagógica: educação à distância alternativa. São Paulo : Cortez. Instituto Paulo Freire, 1997.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LANDIM, Cláudia. Educação à distância: algumas considerações. Rio de Janeiro: s.n.1997.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2.ed. Salvador: Malabares Comunicações, 2005.

MARQUES, Warlen Fernandes Soares. Psicopedagogia e avaliação educacional. Dissertação de mestrado PUC-Campinas, 2003.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 5.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

PALLOFF, Rena. M. e PRATT, Keith. O aluno virtual. 1ª ed. São Paulo: Artemed. 2004

POLIDORI, Marlis Morosini; MARINHO-ARAUJO, Claisy M.; BARREYRO, Gladys Beatriz. SINAES: Perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Ensaio: aval. políticas públicas Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 53, p.425-436, out. 2006. Trimestral. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n53/a02v1453.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2015.

POZO, Juan Ignacio. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PRADO, M. E. B.B., MARTINS, M. C. A Mediação Pedagógica em Propostas de Formação Continuada de Professores em Informática na Educação. Artigo. CR_ROOM. 2002

SANT'ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. Petrópolis: Vozes, 1995.

Publicado
2016-07-18
Seção
Artigos