FILTROS EPISTEMOLÓGICOS PARA A ANÁLISE DOS DADOS – CONSTRUCTO METODOLÓGICO PARA A PESQUISA QUALITATIVA

  • Augusto Niche Teixeira Unilasalle
  • Claus Dieter Stobäus UniLassale

Resumo

O presente artigo apresenta uma síntese teórico-epistemológica resultante do constructo metodológico adotado no processo investigativo que contemplou discursos de docentes e discentes sobre práticas pedagógicas no âmbito da Educação Superior em tempo de Cultura Digital. Esta produção acadêmico-científica versa especialmente sobre espirais filosóficas constituídas como filtros epistemológicos para a análise dos dados coletados na pesquisa em foco. A ideação filosófica proposta neste constructo metatextual fundou-se a partir da Teoria da Complexidade, proposta por Edgar Morin (2000). O foco temático do problema da pesquisa delimita-se ao sentido do conhecimento versus o fazer docente em tempo de cultura digital: manifestações sobre o mal e/ou bem-estar na docência. O constructo metodológico emerge do estudo investigativo de caráter qualitativo. A investigação remete à esfera da Educação Superior, no ano de 2016, de um Centro Universitário, de natureza comunitária, localizado em Canoas-RS. Foram utilizados como parâmetros do método de análise três princípios da Teoria da Complexidade de Edgar Morin (2000). Este processo metodológico, instrumentalmente, se caracterizou pela Escuta Digital, criada ao longo da análise, com a utilização e a adaptação de um programa informatizado de gravação, o SONAR. Para a análise das informações categorizadas foi inscrito no processo metodológico o NVivo 10 - NUD*IST. Este artigo destina-se à formação dos professores da Educação e, em especial, à busca do sentido da aprendizagem por meio de experiências significativas de aprendizagem. O estudo contribui com a formulação de lentes epistemológicas que auxiliam na compreensão de fenômenos educacionais na contemporaneidade. Trata-se de um alinhamento entre as perspectivas emergentes do processo investigativo e a realidade complexa em tempo de cultura digital.Palavras-chave: Metodologia da Pesquisa. Epistemologia. Complexidade. Cultura Digital. Docência.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAUMANN, Zygmunt. Vida Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2007.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

JESUS, Saul Neves. Professor sem stress: realização e bem-estar docente. Editora Mediação: Porto Alegre, 2007.

LÉVINAS, Emmanuel; PIVATTO, Pergentino S. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

____________, Humberto; org.: MAGRO, Cristina; GRACIANO, Miriam; VAZ, Nelson. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: UFMG, 1997.

MORAES, Maria Cândida. Paradigma Educacional Emergente. Campinas, SP: Papirus, 1997.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

MORIN, Edgar; MOIGNE, Jean-Louis Le. Inteligência da Complexidade: Epistemologia e Pragmática. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

MORIN, Edgar. O método 1: a natureza da natureza. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005a.

MORIN, Edgar. O método 2: a vida da vida. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005b.

MORIN, Edgar. O método 3: conhecimento do conhecimento. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005c.

MORIN, Edgar. O método 4: as ideias. Porto Alegre: Sulina, 2001.

MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005d.

MORIN, Edgar. O método 6: Ética. Porto Alegre: Sulina, 2005e.

PRENSKY, Marc. Brain Gain: Technology and the quest for digital. 1.ed.Editora Palgrave Macmillan, 2012.

PRENSKY, Marc. In digital games for education, complexity matters. EducationalTechnology, 2005.

PRENSKY, Marc. From digital natives to digital wisdom hopeful essays for 21st century learning. Thousand Oaks: Corwin, 2012.

PRENSKY, Marc. “Não me atrapalhe, mãe eu estou aprendendo”: como os videogames estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI – e como você pode ajudar! São Paulo, Phorte, 2010.

PRENSKY, Marc. O papel da tecnologia no ensino e na sala de aula. Conjectura: Filosofia e Educação, Caxias do Sul, 2010.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas. São Paulo: Editora da UNESP, 1996.

RICOUER, Paul. A Metáfora Viva. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

SELIGMAN, Martin. Florescer. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

TEIXEIRA, Augusto Niche. (Dissertação de Mestrado, 2008, p.33) O reconhecimento da complexidade a partir da intervenção docente frente ao erro e ao erro construtivo: fonte de busca da humana condição?

Publicado
2016-07-18
Seção
Artigos