AÇÕES DO IMAGINÁRIO ORGANIZACIONAL MODERNO NA SUBJETIVIDADE DE JOVENS APRENDIZES DO SETOR BANCÁRIO

  • David Silva Franco Universidade Federal de Minas Gerais
  • Alex Fernandes Magalhães Universidade Federal de Minas Gerais
  • Kely Cesar Martins de Paiva Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

No contexto do capitalismo neoliberal, o qual expande gradativamente seu poder de influência a partir da globalização, o imaginário organizacional moderno atinge esferas que suplantam os limites do ambiente de trabalho, alcançando âmbitos sociais que impactam os sujeitos em múltiplos aspectos. O setor bancário, que passou por grandes transformações nas últimas décadas, engloba diversos aspectos de tal imaginário. Partindo desse cenário, o objetivo do presente estudo é compreender como o imaginário organizacional moderno mobiliza a subjetividade de jovens aprendizes do setor bancário. Estando os jovens mais susceptíveis às influências externas sobre as suas percepções, dadas as características de seu estágio de desenvolvimento biopsicossocial, esta pesquisa busca oferecer subsídios que possam ampliar as zonas de sentido a respeito desses atores sociais no campo dos estudos organizacionais. Por meio do método dialético de análise de conteúdo das entrevistas realizadas, notou-se que o imaginário organizacional moderno atua com grande influência sobre as percepções desse público, ratificando sua supremacia pela legitimação dos jovens. Todavia, formas de resistência a essa ideologia também foram identificadas. Foram lançadas, assim, algumas reflexões que almejam contribuir com a crítica ao gerencialismo, destacando a complexidade que envolve a subjetividade dos sujeitos imersos na dinâmica organizacional. Palavras-chave: Imaginário organizacional. Ideologia gerencialista. Subjetividade. Jovens aprendizes. Setor bancário.

Referências

BOURDIEU, P. O Poder simbólico. 14ª. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

ENRIQUEZ, E. A organização em análise. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

______. O papel do sujeito humano na dinâmica social. In: (Ed.) Psicossociologia – Análise Social e Intervenção. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

ERICKSON, E. H. Identity and the Life Cycle. London: Norton & Company, 1994.

FARIA, J. H. Economia Política do Poder. Curitiba: Juruá, 2004.

______. Poder, Trabalho e Gestão: elementos básicos para uma análise crítica das organizações. Curitiba: EPPEO, 2012. (Relatório de Pesquisa).

FARIA, J.H.; MENEGUETTI, K.F. O sequestro da subjetividade. In: FARIA, J. H. (org.) Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007.

FREITAS, M.E. Contexto Social Imaginário Organizacional Moderno. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 6-15. 2000.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2007.

LAPLANCHE, J; PONTALIS, J.B. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LIMA, M.E.A. Os equívocos da excelência – As novas formas de sedução na empresa, Petrópolis: Vozes. 1996.

LINHARES, A.R.P.; SIQUEIRA, M.V.S. Vivências depressivas e relações de trabalho: uma análise sob a ótica da psicodinâmica do trabalho e da sociologia clínica. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v.12, n.3, pp. 719-740, Set. 2014 .

PAGÈS, M. et al. O Poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PAULA, A.P.P.; PALASSI, M.P. Subjetividade e Simbolismo nos Estudos Organizacionais: Um Enfoque Histórico-Cultural. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. (orgs.) Simbolismo Organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007.

SALIMON, M.I.; SIQUEIRA, M.V.S. Ideologia gerencialista e subjetividade do trabalhador no terceiro setor. Revista de Administração da USP, v. 48, n. 4, pp. 643-657, out/nov/ dez. 2013.

SIQUEIRA, M. V. S. O discurso organizacional em recursos humanos e a subjetividade do indivíduo – uma análise crítica. UNB, Brasília, Tese (Doutorado em Administração). 2004.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Publicado
2017-08-09
Seção
Artigos