Redes de cooperação e governança pública: o caso do mapeamento cultural de Belo Horizonte

  • Leonardo Tadeu dos Santos UFMG
  • Juliana de Fátima Pinto UFMG
  • Maria Gabriela de Cássia Miranda UFMG

Resumo

Os Estados vêm sofrendo mudanças que têm seguido a direção de uma administração orientada para o usuário, de maior transparência e de maior envolvimento com mercado e sociedade civil e, para isso, estão procurando trabalhar na perspectiva de redes. Este artigo buscou analisar as possibilidades da rede estabelecida entre a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte (FMC), a empresa TIM e o Conselho Municipal de Política Cultural (COMUC). Trata-se de uma rede interinstitucional, formada com objetivo de construir o mapa cultural da cidade de Belo Horizonte. O mapa cultural é um software de gestão compartilhada inovador, que permite que diferentes órgãos privados e/ou públicos alimentem o banco de dados para a posterior consulta dos cidadãos. Foi aplicado um questionário aberto para três servidoras da FMC. Para o tratamento dos dados utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin (2009). O estudo descreve como se deu a criação da rede, os avanços alcançados e as dificuldades encontradas. Conclui-se que a rede de cooperação trouxe benefícios e possibilitou a construção do mapa cultural da cidade.Palavras-chave: Redes interorganizacionais. Cooperação. Setor público. Inovação.

Biografia do Autor

Leonardo Tadeu dos Santos, UFMG
Mestrando em Administração pelo CEPEAD/UFMG.
Juliana de Fátima Pinto, UFMG
Doutoranda em Administração pelo CEPEAD/UFMG.
Maria Gabriela de Cássia Miranda, UFMG
Doutoranda em Administração pelo CEPEAD/UFMG.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BECERRA, Manuel.; LUNNAN, Randi.; HUEMER, Lars. Trustworthiness, risk, and the transfer of tacit and explicit knowledge between alliance partners. Journal of Management Studies, v. 45, n. 4, p. 691-713, 2008.

BORZEL, Tanja. Le reti di attori pubblici e privati nella regolazione europea. Stato e Mercato, v. 54, n. 3, p. 389-432, 1998.

BOURGUIGNON, Jussara Ayres. Concepção de rede intersetorial. 2001. Disponível em: <http://www.uepg.br/nupes/intersetor.htm>. Acesso em: 25 jul. 2016.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

_­­_____. Para o Estado-rede: globalização econômica e instituições políticas na era da informação. In: BRESSER-PEREIRA, Luís Carlos; WILHEIM, Jorge; SOLA, Lourdes. (orgs.). Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: Editora UNESP, 2001, p. 147- 171.

CKAGNAZAROFF, Ivan Beck; SOUZA, Maria Thereza Costa Guimarães. Relação entre ONG e Estado: um estudo de parceria. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v.1, n.2, p.59-73, 2003.

CRESWELL, Jhon Andrew Jackson. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CRUZ, Paulo Roberto Araújo Filho. Governança e Gestão de Redes na Esfera Pública Municipal: O caso da rede de proteção à criança e ao adolescente em situação de risco para a violência em Curitiba. 2006. 162f. Dissertação (Mestrado em Administração), Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2006.

JULIANI, Douglas. Inovação Social: Uma revisão sistemática de literatura. In: X Congresso Nacional de Excelência em Gestão, n. ISSN. 1984. p. 2014.

KISSLER, Leo; HEIDEMANN, Francisco Gabriel. Governança pública: novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, p. 479-499, 2006.

LEMOS, Cristina. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, Helena M. M.; ALBAGLI, Sarita (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. cap. 5, p. 122-144.

LÖFFLER, Elke. Governance–die neue Generation von Staats-und Verwaltungsmodernisierung. Verwaltung und Management, p. 212-215, 2001.

MINTZBERG, Henry. Administrando governos, governando administrações. Revista do Serviço Público, Brasília, Ano 49, n. 4, p. 148-164, 1998.

________. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MURRAY, Robin; CAULIER-GRICE, Julie; MULGAN, Geoff. The open book of social innovation. London: National endowment for science, technology and the art, 2010.

NOHRIA, N.; ECCLES, R. Networks and organizations. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

PETER, Tom J.; WATERMAN, Robert H. In search of excellence: lessons from America’s best-run companies. New York: Harper & Row, 1982.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Mapa Cultural de Belo Horizonte. Disponível em: <http://mapaculturalbh.pbh.gov.br/>. Acesso em: 18 de abr. de 2017.

RING, Peter Smith; VAN DE VEN, Andrew H. Developmental processes of cooperative interorganizational relationships. Academy of management review, v. 19, n. 1, p. 90-118, 1994.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da Administração pública. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 2, p. 347-369, 2009

SEDAI - SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS. Manual do consultor do programa redes de cooperação. Governo do Estado do Rio Grande do Sul, mar.2004.

SILVA, Flavia de Araújo; MARTINS, Tulio Cesar Pereira Machado; CKAGNAZAROFF, Ivan Beck. Redes organizacionais no contexto da governança pública: a experiência dos Tribunais de Conta do Brasil com o grupo de planejamento organizacional. Revista do Serviço Público, v. 64, p. 249-271, 2013.

Thompson, G. F. (2003). Between hierarchies and markets: the logics and limits of network forms of organization. Oxford: Oxford University Press

TORRES, Norberto Antônio. Avaliação de Websites e Indicadores de e-Gov em Municípios Brasileiros – Relatório Final. 2006. Disponível em: <http://www.sumaq.org/egov/img/publicaciones/5.pdf >. Acesso em: 21 jul. 2016.

Publicado
2017-12-29
Seção
Artigos