Amorismo: Análise de perfis docentes e práticas pedagógicas envolvendo afeto, por docentes de diferentes níveis de ensino.

  • Cecilia Decarli Universidade Federal de Pelotas- UFPel
  • Cristiano da Cruz Fraga Universidade Federal de Pelotas- UFPel

Resumo

Ensinar por meio do amorismo consiste em estabelecer em ordem primária, práticas docente através da criação de vínculos afetivos com os discentes, construindo o respeito de forma conjunta e não sobreposta, garantindo um ensino prazeroso e um ambiente escolar harmonioso, tendo o aluno como protagonista no processo. O estudo visou analisar perfis docentes por meio de entrevistas com perguntas relacionadas a educação afetiva, a fim de compreender como os docentes de diferentes níveis de ensino se enquadram dentro do perfil de professor amorista, foram entrevistados 140 docentes de variadas instituições de ensino, por meio de questões objetivas e relato de experiência afetiva com algum aluno, que nos mostraram que a maioria dos docentes insere-se dentro da educação afetiva de alguma forma, os diversos relatos mostraram resultados significativos em interações afetivas entre professores e alunos, sendo que os relatos com mais vínculos afetivos dá-se na infância, mostrando a importância da formação docente relacionada a afetividade em todos os níveis de ensino.Palavras-chaves: Amorismo; professores amoristas; afetividade; docentes, ensino.

Biografia do Autor

Cecilia Decarli, Universidade Federal de Pelotas- UFPel
Mestra em Biologia- UNISINOS. Bióloga. Especialista em Gerenciamento Ambiental, Gestão Pública e em Ensino de Filosofia. Professora de Ciências e Biologia na rede estadual do RS e na rede municipal de Campo Bom. Tutora presencial do curso de licenciatura em Filosofia- UFPel. Novo Hamburgo/RS, cecilia_decarli@hotmail.com
Cristiano da Cruz Fraga, Universidade Federal de Pelotas- UFPel
Especialista em História Africana e Afro-Brasileira pela Faculdade Porto-Alegrense (FAPA) e em Ensino de Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Licenciado em História pela FAPA, professor de História, tutor presencial do curso de Licenciatura em Filosofia na UFPel- RS; dacruzfraga@yahoo.com.br.

Referências

ANDRADE, A. S. (1990). Condições de vida, potencial cognitivo e escola: um estudo etnográfico sobre alunos repetentes da 1ª série do 1º grau. Cadernos de Pesquisa, (73), 26-37.

ARROYO, M. G. (2000). Ofício de mestre: imagens e auto-imagens (6ª ed.). Petrópolis: Vozes.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio>Acesso em: julho. 2018.

BRODEUR, D. R. (1998). Thematic teaching: integrating cognitive outcomes in elementary classrooms. Educational Tecnology, 38 (6) 37-43.

CIANFA, C. R. L. (1996). A importância das relações interpessoais na educação de adultos. Dissertação de mestrado não-publicada, Universidade Estadual de Campinas.

CHALITA, G. Educação, a solução está no afeto. São Paulo: Editora Gente, 2004.

CHAVES, A. M. & BARBOSA, M. F. (1998). Representações sociais de crianças acerca da sua realidade escolar. Estudos de Psicologia (Campinas), 15 (3), 29-40.

DÉR, L.C.S. A constituição da pessoa: dimensão afetiva. In: MAHONEY, A. A; ALMEIDA, L.R. (Org.). A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Loyola, 2004.

DIAS, A. M. S.(2003). O desenvolvimento pessoal do educador através da biodança. Dissertação de mestrado não-publicada, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

ESPINOSA, G. (2002). La relation maître-élève dans as dimension affective: un pivot pour une différenciation des pratiques pédagogiques enseignantes? In L. Lafortune, P. Mongeau (Dirs.), L’affectivité dans l’apprentissage (pp.159-181). Québec: Presses de l’Université du Québec.

FRAGA, C. C. & DECARLI, C. (2018). Amorismo: Visualizando a afetividade no espaço escolar através da visão discente. Revista Acadêmica Licencia&acturas, Volume 06, número 01, 2018. p.93-104.

FELDEN, E.L. (2008). Universo escolar: o lugar da afetividade no processo de ensinar e aprender. Anais do 14º Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Porto Alegre.

FREIRE, P. Educação e mudança. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

_________. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários a prática educativa. 29 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HARGREAVES, A. (2001). Au-delà des renforcements intrinsèques les relations émotionnelles des enseignants avec leurs élèves. Éducation et Francophonie, 29 (1),1-9. Disponível em www.acelf.ca/revue/XXIX-1/articles/09- Hargreaves.html

MORALES, P. (2001). A relação professor-aluno: o que é, como se faz (3ª ed). São Paulo: Loyola.

PIAGET, J. (1994). La relación del afecto com la inteligência en el desarrollo mental del niño. In G. Delahanty, & J. Perrés (Eds.), Piaget y el psicoanálisis (pp. 181-289). Universidad Autónoma Metropolitana: Xochimilco. (Trabalho original publicado em 1962).

RIBEIRO, M. L. (2008). A afetividade no bojo dos currículos de formação de professores. Anais do 14º Encontro Nacional de Prática de Ensino, Porto Alegre, RS.

RIBEIRO, M.R. 2010. A afetividade na relação educativa. Estudos de psicologia, Campinas, 27 (3) 403-412.

RIOS, T. A. (2006). Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez.

ROMERO, E. As formas da sensibilidade; emoções e sentimentos na vida humana. 2 ed. São José dos Campos: Della Bídia, 2003.

SABINO, S. O afeto na prática pedagógica e na formação docente. Uma presença silenciosa... São Paulo: Paulinas, 2012, coleção Educação em foco.

SARNOSKI, E. A. Afetividade no processo Ensino-aprendizagem. Rei- Revista de educação do IDEAU, vol. 9, n° 20, 2014.

SOUZA, M. P. R.(1997). Repensando o lugar dos afetos na sala de aula. Os desafios enfrentados no cotidiano escolar (pp.159-174) São Paulo: FDE.

VASCONCELOS, M.S. (2004). Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. Educação & Sociedade, 25 (87), 616-620.

Publicado
2019-07-03